Quinta, 24 de Setembro de 2020 11:04
(37) 98812-8974
Brasil Padre Robson

MP pediu prisão de padre Robson por suspeita de irregularidades na Afipe, mas Justiça negou

Segundo promotoria, 'há vários anos', ele estaria se apropriando de recursos da Associação dos Filhos do Pai Eterno, a qual fundou em Trindade e movimenta R$ 20 milhões por mês.

21/08/2020 18h55
Por: Cidade Notícia Fonte: G1
Foto: Afipe/Divulgação
Foto: Afipe/Divulgação

O Ministério Público do Estado de Goiás (MP-GO) pediu a prisão do padre Robson de Oliveira Pereira, reitor do Santuário Basílica de Trindade, no âmbito do processo que apura irregularidades na Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe), da qual é presidente. No entanto, a Justiça negou a solicitação.

O corpo jurídico da Afipe informou que "não foi pego de surpresa" com a operação e que, no passado, "se colocou à disposição do Ministério Público". Salientou ainda que o padre Robson acompanhou toda a operação e que tudo segue em "extremo sigilo".

A operação "Vendilhões" foi deflagrada na manhã desta sexta-feira (21) para investigar diversos crimes, inclusive lavagem de dinheiro que era doado à entidade para arcar com os custos da construção do novo Santuário Basílica. Foram cumpridos 16 mandados de busca e apreensão, em imóveis de Goiânia e Trindade. Inclusive, em propriedades de luxo vinculadas ao padre Robson.

Em sua justificativa para pedir a detenção, o MP-GO afirmou que a prisão era necessária porque o padre, "há vários anos", estaria se apropriando de recurso da Afipe, bem como "promovendo a transferência de bens desta para terceiros". Além da prisão, pleiteou ainda que ele fosse afastado do cargo diretivo da associação, bem como proibido de entrar nos imóveis da entidade.

A promotoria ressalta que o padre administra entidades que recebem mais de R$ 20 milhões mensais em doações de todo o Brasil e estaria usando os valores em benefício de terceiros. Foi constatado que, nos últimos dez anos, a associação movimentou em suas contas mais de R$ 2 bilhões.

De acordo com a denúncia do MP, houve pagamentos indevidos de cerca de R$ 120 milhões, só nós últimos três anos, por parte da Afipe para grupos de empresas e pessoas. Constatou-se que esses gastos não tinham vínculo com questões religiosas, mas com outros negócios, como a compra de imóveis, propriedades rurais, cabeças de gado e emissoras de rádio, diz o MP.

Juíza indeferiu pedido

Porém, em seu despacho indeferindo o pedido, a juíza Placidina Pires, disse que o padre é "líder religioso, primário e de bons antecedentes criminais".

Ela ressaltou ainda que "a simples existência de indícios da prática de crimes de natureza grave" não são suficientes para determinar a prisão do religioso". Destacou ainda que na denúncia do MP, "não há informações concretas de que, em liberdade, o padres investigado destruirá provas ou intimidará testemunhas", não sendo necessária sua prisão.

Pelos mesmos motivos, a magistrada também negou os pedidos de afastamento do cargo diretivo e da proibição de acesso do padre à Afipe.

Crimes investigados:

Apropriação indébita

Lavagem de dinheiro

Falsificação de documentos

Sonegação fiscal

Associação criminosa

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias