Segunda, 25 de Maio de 2020 13:32
(37) 98812-8974
Minas Gerais Minas

Homem é condenado por estuprar a própria filha sob ameaças de morte em MG

O TJMG condenou um pai a 12 anos de reclusão, em regime inicial fechado, pela prática de atos libidinosos, diversos de conjunção carnal, contra a filha de 7 anos.

15/05/2020 15h02
Por: Expresso Notícia Fonte: BHAZ
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O TJMG (Tribunal de Justiça de Minas Gerais) condenou um pai a 12 anos de reclusão, em regime inicial fechado, pela prática de atos libidinosos, diversos de conjunção carnal, contra a filha de 7 anos. A decisão é da 4ª Câmara Criminal, que manteve sentença da Comarca de Grão Mogol. 

De acordo com a denúncia do Ministério Público, na tarde de 2 de agosto de 2015 o réu buscou a criança em casa, usando seu direito de visitar a filha, e foi com ela a um bar, onde comprou algumas bebidas alcoólicas. Em seguida, a levou a uma localidade na zona rural de Cristália.

Ainda de acordo com o Ministério Público, no local, conhecido vomo “Rio Cachoeira” e “Poço de Batismo”, o pai, após consumir as bebidas, agarrou a criança com violência, arrastou-a para o rio e, afogando-a, retirou a parte de baixo do biquíni da garota, iniciando a prática de atos libidinosos.

Durante o delito sexual, o pai ainda ameaçou de morte a menina, afirmando que “iria beber seu sangue e comer sua carne”, caso ela contasse o episódio para alguém. A criança conseguiu se desvencilhar do réu e fugiu para a estrada, onde pediu socorro a um motociclista que transitava pelo local no momento.

Em primeira instância, o pai da menina foi condenado a 12 anos de reclusão em regime inicial fechado, pela prática de estupro de vulnerável, e recorreu. Pediu a absolvição, alegando, entre outros pontos, que havia insuficiência de provas contra ele. O Ministério Público também entrou com recurso, pedindo que fosse fixada indenização mínima à vítima pelo dano moral sofrido – pleito negado na decisão. 

Provas bem delineadas

Ao analisar os autos, o relator, desembargador Eduardo Brum, verificou que a autoria e a materialidade do estupro de vulnerável estavam bem delineadas nos autos, conforme Boletim de Ocorrência policial, comprovação da menoridade da vítima, conclusões dos laudos periciais de corpo de delito e testemunhos e depoimentos.

O homem negou os fatos, afirmando que a mãe da criança havia inventado a história pelo fato de ele estar noivo e ela não aceitar essa situação. Contudo, essa negativa, destacou o desembargador, encontrava-se isolada nos autos e sucumbia diante dos relatos da vítima, de informante e de testemunhas”.

O relator ressaltou que a criança, nas duas oportunidades em que se manifestou no processo, “apresentou narrativas uníssonas, firmes, coesas e seguras, não deixando dúvidas acerca da dinâmica criminosa”.

“Saliente-se que as jurisprudências deste egrégio Tribunal e também do augusto STJ seguem no sentido de que a palavra da vítima, ainda que em tenra idade e nos crimes que ocorrem às ocultas, como o caso dos delitos sexuais, possui substancial relevância, sobretudo quando concatenada com os demais elementos de prova”.

Corroborando a versão apresentada pela criança havia, destacou o relator, o depoimento da mãe da vítima, que relatou o abuso tal como a ouviu da menor, e referendou todos os problemas psicológicos advindos da violência sofrida no seio familiar.

Outra prova destacada pelo desembargador foi o testemunho do motociclista que passava próximo ao local e que forneceu socorro à menina, atestando “o estado de pânico que a menor exibia quando o interceptou na via pública”. Ele também “confirmou ter ouvido dela, com igual simetria, a descrição do ato libidinoso”, observou o magistrado.

Por fim, o relator destacou ainda o testemunho do proprietário de um bar, confirmando que, momentos antes do crime, o réu foi ao estabelecimento comercial, na companhia da filha, e adquiriu as bebidas alcoólicas. “Os fartos elementos probatórios são mais que suficientes, então, para amparar o decreto condenatório em relação ao crime de estupro de vulnerável”, indicou o desembargador.

No que se refere ao pedido do Ministério Público para fixação de valor mínimo a título de indenização civil, o relator verificou que “não se procedeu a nenhuma discussão acerca do montante indenizatório, desrespeitando-se o princípio do contraditório neste particular aspecto”, por isso negou esse pleito ministerial.

Assim, o relator manteve integralmente a sentença, sendo acompanhado, em seu voto, pelos desembargadores Júlio Cezar Guttierrez e Corrêa Camargo.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias