Sábado, 18 de Setembro de 2021
26°

Poucas nuvens

Campos Altos - MG

Saúde Covid-19

Crianças podem ser gravemente atingidas pela Covid-19

Médicos explicam como protegê-las.

24/08/2021 às 15h56
Por: Cidade Notícia Fonte: CNN
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O mito de que as crianças não podem ficar gravemente doentes por causa da Covid-19 continua sendo desmentido à medida que cresce o número de internações durante o aumento da variante Delta. Mais de 49 mil crianças foram hospitalizadas com Covid-19 desde agosto de 2020 nos Estados Unidos, de acordo com os Centros para Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC).

Este mês, uma média de 276 crianças foram hospitalizadas no país com Covid-19 todos os dias entre 14 e 20 de agosto, mostram os dados do CDC.

“Metade das crianças que internamos tinha menos de dois anos”, disse Mark Kline, médico-chefe do Children’s Hospital New Orleans, este mês. “Este vírus com o qual estamos lidando agora é uma virada de jogo. E é facilmente transmitido de pessoa para pessoa.”

Agora, os médicos dizem que é crucial proteger as crianças contra a variante Delta – não apenas para o bem de sua saúde, mas também para ajudar a prevenir o surgimento de variantes mais agressivas.

Quase metade das crianças hospitalizadas não tinha doença preexistente

Muita coisa mudou desde o último ano letivo. Uma variante mais contagiosa – Alpha – foi substituída por outra ainda mais contagiosa – a Delta – como a cepa dominante do coronavírus nos Estados Unidos. Em apenas dois meses, a Delta saltou de 3% para mais de 93% das amostras sequenciadas de coronavírus nos EUA, disse o CDC.

E a contagem semanal de crianças infectadas com Covid-19 mais do que triplicou em menos de um mês. Cerca de 39 mil novos casos foram relatados durante a semana encerrada em 21 de julho, de acordo com a Academia Americana de Pediatria (AAP). Esse número disparou para 121.427 novos casos durante a semana encerrada em 12 de agosto, disse a AAP.

Entre as crianças hospitalizadas com Covid-19, muitas eram previamente saudáveis. Quase metade – 46,4% – das crianças hospitalizadas com Covid-19 entre março de 2020 e junho de 2021 não tinha nenhuma doença preexistente conhecida, de acordo com dados do CDC de quase 100 condados dos EUA.

Mortes de crianças por Covid-19 não devem ser ignoradas, diz o chefe do CDC

Embora as crianças tenham muito menos probabilidade de morrer de Covid-19 do que os adultos, as mortes ainda são significativas, disse a diretora do CDC, Rochelle Walensky. Pelo menos 471 crianças americanas morreram de Covid-19, de acordo com dados do CDC. Na temporada de gripe 2019-20, o CDC confirmou 199 mortes por gripe pediátrica e estimou 434 mortes por gripe pediátrica.

Uma razão pela qual a Covid-19 é mais mortal para crianças do que outras doenças infecciosas é porque muitas crianças são vacinadas contra outras doenças, disse James Campbell, professor de pediatria da Escola de Medicina da Universidade de Maryland. “Ninguém está morrendo de poliomielite e de sarampo nos Estados Unidos. Ninguém está morrendo de difteria”.

Mas embora crianças de 12 a 17 anos possam receber a vacina contra a Covid-19 no país, muitas não o fazem. E pode levar vários meses até que uma vacina seja autorizada para crianças menores de 12 anos.

Proteger as crianças da Covid-19 é fundamental para mantê-las nas escolas

Com a variante Delta altamente contagiosa, o CDC recomenda que os alunos do jardim de infância até a 12ª série usem máscaras na escola, junto com professores e visitantes. A Academia Americana de Pediatria recomenda máscaras nas escolas para todas as pessoas com mais de 2 anos.

“Nossos filhos merecem ter um aprendizado seguro em tempo integral, pessoalmente, com medidas de prevenção em vigor. E isso inclui o uso de máscara para todos nas escolas”, disse Walensky.

Alguns alunos estão voltando às escolas pela primeira vez em um ano. Mas o tão esperado aprendizado em sala de aula pode ser rapidamente prejudicado por uma infecção ou um surto. No Mississippi e na Flórida, milhares de alunos que estão começando seu ano letivo já tiveram que entrar em quarentena.

E não é preciso muito para a Covid-19 fechar uma escola novamente. Apenas um caso pode ter um efeito cascata sobre os alunos, professores e funcionários. “Precisamos de adultos para administrar escolas, e se meus adultos estiverem doentes ou precisando de quarentena, não tenho adultos presentes para ensinar”, disse Carlee Simon, superintendente das Escolas Públicas do Condado de Alachua, na Flórida.

O conselho escolar votou para exigir máscaras faciais para as primeiras duas semanas de aula, mas o governador da Flórida ameaçou reduzir o financiamento para escolas que exigem máscaras. E isso preocupa o superintendente. “Quando temos famílias que não querem colocar máscaras em seus filhos, o que eles estão fazendo não é apenas aumentar a chance de serem colocados em quarentena”, disse Simon. “Se um aluno for infectado, eles também terão outros alunos com máscaras que precisarão ser colocados em quarentena”.

“Todo mundo quer seguir em frente. Ninguém quer usar máscaras para sempre”, disse Simon. “Mas gostaríamos de estar seguros e ter tempo de instrução com nossos alunos.”

Além das máscaras nas escolas, o CDC recomenda a estratificação de outras estratégias, como melhor ventilação, distanciamento físico e testes em uma base de triagem.

MIS-C e Covid longa podem deixar impactos duradouros

As complicações de longo prazo da Covid-19 podem ser significativas para crianças e adolescentes – mesmo para algumas que inicialmente apresentavam sintomas leves ou nenhum sintoma, disse a Academia Americana de Pediatria. Todos os pacientes pediátricos com resultado positivo devem ter pelo menos um exame de acompanhamento com um pediatra, disse a AAP.

Os pediatras devem estar atentos a problemas residuais ou de longo prazo com Covid-19, como sintomas respiratórios, que podem durar três meses ou mais; problemas cardíacos, incluindo um tipo de inflamação cardíaca conhecida como miocardite; problemas cognitivos, como “névoa mental”; dor de cabeça; fadiga e problemas de saúde mental, disse a AAP.

Crianças com Covid-19 moderada ou grave podem ter maior risco de doenças cardíacas subsequentes, disse o grupo de pediatras. Em alguns casos, as crianças que começam com sintomas leves ou mesmo sem sintomas de Covid-19 acabam hospitalizadas semanas ou meses depois com uma condição chamada MIS-C – síndrome inflamatória multissistêmica em crianças.  “É uma condição rara, mas séria, associada à Covid-19, na qual diferentes partes do corpo ficam inflamadas, incluindo coração, pulmões, rins, cérebro, pele, olhos ou órgãos gastrointestinais”, diz o CDC.

Acontece quando “o vírus induz seu corpo a produzir uma resposta imunológica contra seus próprios vasos sanguíneos” – o que pode causar inflamação dos vasos sanguíneos, disse o pediatra Paul Offit, diretor do Centro de Educação em Vacinas do Hospital Infantil da Filadélfia.

Frequentemente, crianças com MIS-C não começam muito doentes com Covid-19. “Normalmente elas são diagnosticadas acidentalmente com coronavírus. Alguém da família foi infectado, um amigo foi infectado, então elas fizeram um teste de PCR, que deu positivo. Mas eles estavam bem, disse Offit à CNN. “Então, um mês se passa e elas desenvolvem febre alta. E evidências de danos nos pulmões, no fígado, nos rins ou no coração. É quando elas vêm ao nosso hospital.”

Segundo o CDC, pelo menos 4.404 casos de MIS-C foram relatados entre fevereiro de 2020 e julho de 2021 nos EUA, incluindo 37 mortes; 99% dos pacientes com MIS-C tiveram teste positivo para coronavírus, e o outro 1% teve contato com alguém com Covid-19. A idade média dos pacientes com MIS-C é de 9 anos.

O CDC diz que está trabalhando para aprender mais sobre por que algumas crianças e adolescentes desenvolvem MIS-C após terem Covid-19 ou contato com alguém com Covid-19, enquanto outros não. “Com base no que sabemos agora sobre MIS-C, a melhor maneira de proteger seu filho é tomando medidas diárias para evitar que ele e toda a família contraiam o vírus que causa Covid-19.”

As melhores medidas incluem se vacinar e vacinar crianças com 12 anos ou mais, disse Walensky. E mesmo que um dos pais esteja totalmente vacinado, há uma pequena chance de que ele contraia uma infecção assintomática e transmita o vírus para seus filhos.

É por isso que é uma boa ideia que todos os pais de crianças pequenas usem máscaras em ambientes fechados públicos. Mas a melhor maneira de proteger as crianças não vacinadas, disse Walensky, “é cercá-las de pessoas vacinadas”.

Crianças podem ajudar acidentalmente a estimular novas variantes

Proteger as crianças contra o coronavírus pode ajudar a todos no longo prazo, dizem os médicos. À medida que o vírus continua se espalhando, se replicando em novas pessoas, mais chances ele tem de sofrer mutação – potencialmente levando a variantes ainda mais contagiosas ou que podem escapar das vacinas.

Mas as pessoas não vacinadas – incluindo crianças – são mais suscetíveis à infecção. E elas podem, sem saber, ajudar na criação de novas variantes, disse Offit. “Se vamos continuar permitindo que esse vírus se espalhe, vamos continuar permitindo que essas variantes sejam criadas”. “Não seremos capazes de deter esta pandemia até que tenhamos uma porcentagem significativa da população vacinada”.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Campos Altos - MG Atualizado às 10h48 - Fonte: ClimaTempo
26°
Poucas nuvens

Mín. 18° Máx. 32°

Dom 34°C 16°C
Seg 34°C 19°C
Ter 35°C 16°C
Qua 32°C 16°C
Qui 34°C 19°C
Horóscopo
Áries
Touro
Gêmeos
Câncer
Leão
Virgem
Libra
Escorpião
Sagitário
Capricórnio
Aquário
Peixes
Enquete
Ele1 - Criar site de notícias