Domingo, 13 de Junho de 2021 01:31
(37) 98812-8974
Brasil Santos/SP

Bebê que passou por transplante total de fígado enfrenta a Covid-19 um mês após cirurgia

Júlia recebeu 30% do órgão da tia e se recuperou do novo coronavírus logo em seguida.

21/05/2021 10h30
Por: Cidade Notícia Fonte: G1
Júlia Franchini Alday recebeu 30% do fígado da tia quando tinha 5 meses de vida — Foto: Arquivo Pessoal/Vitória Franchini
Júlia Franchini Alday recebeu 30% do fígado da tia quando tinha 5 meses de vida — Foto: Arquivo Pessoal/Vitória Franchini

Júlia Franchini Alday tinha 5 meses de vida quando precisou passar por um transplante total de fígado, para tratar uma doença chamada atresia de vias biliares. A criança, que mora em Santos, no litoral de São Paulo, conseguiu encontrar um doador compatível na família e recebeu 30% do órgão da tia Vitória Franchini, de 21 anos. Contudo, um mês após o procedimento, Júlia teve que enfrentar um novo desafio, se recuperar da Covid-19.

A administradora Nathália Franchini, de 30 anos, conta que, no ano passado, ela e a família viveram uma grande corrida contra o tempo para salvar a vida da filha. Quando tinha 3 meses, Júlia foi diagnosticada com atresia de vias biliares, uma doença do fígado que só poderia ser tratada por meio de um transplante. Segundo a mãe, até o diagnóstico, os médicos que acompanhavam a menina não consideravam a doença.

Nathália conta que, nos primeiros dias de vida, Júlia parecia ser uma criança saudável. Por orientação médica, a menina deveria apenas tomar sol, pois estava com a pele um pouco amarelada. Ao seguir as orientações, a administradora percebeu que elas não estavam resolvendo o problema, mas tornando as manchas ainda mais aparentes. “Ao invés de o amarelo sumir, ficava cada vez mais aparente, mas o pediatra falava que era normal”, explica.

Foi após uma consulta de rotina que o caso de Júlia começou a ser investigado. Após uma bateria de exames, Nathália conta que a filha precisou ficar internada, mas ainda não tinham um diagnóstico exato. “Aí, começou toda a nossa saga. Eu fiquei internada com ela, e eles não conseguiam me dar um diagnóstico. Vieram outros médicos, olhavam, examinavam, apalpavam, e nada. A gente estava no escuro, só diziam que as imagens de ultrassom eram muito inconclusivas", explica.

Em busca de respostas concretas, Nathália e Gonzalo Alday Mercado, pai de Júlia, decidiram ir para São Paulo consultar uma especialista em problemas relacionados ao fígado. No atendimento, foi constatada a doença. “A médica disse que o caso era claramente atresia de vias biliares. Por conta da idade dela, não teria outra saída a não ser o transplante”, conta a mãe.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias